Cursos e Debates

botao cursos2

Biblioteca Feminista

botao biblioteca-feminista

TV Feminista

botao tv-feminista

ulf-logo

A Universidade Livre Feminista é um espaço de estudo, reflexão, construção de conhecimento, debates e luta por direitos das mulheres. Nosso objetivo é fortalecer o feminismo e a luta por uma sociedade pós-capitalista e pós-patriarcal, somos radicalmente contra o racismo, contra todo tipo de lesbofobia.

feminismo marcha2012_mel

eu quero1serparte

Visitantes

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje4165
mod_vvisit_counterOntem6447
mod_vvisit_counterNesta semana21825
mod_vvisit_counterSemana passada34919
mod_vvisit_counterNeste mês134754
mod_vvisit_counterMês passado271873
mod_vvisit_countertodos os dias6226079

Carolina Pimentel
Repórter da Agência Brasil

Brasília – No Distrito Federal (DF), as autoridades de saúde fazem um apelo para que as gestantes tomem a vacina contra a gripe. Em 2011, somente 51% das grávidas foram imunizadas na capital federal.

Juntamente com idosos a partir de 60 anos, crianças de 6 meses a 2 anos, trabalhadores de saúde e indígenas, as gestantes fazem parte do público-alvo da campanha, que começou hoje (5) e vai até o dia 25 de maio em todo o país. Esses grupos foram escolhidos por apresentar maior risco de contrair doenças respiratórias. A dose protege contra os três tipos de vírus que mais circulam no Hemisfério Sul, incluindo o Influenza H1N1.

“Fazemos um apelo para que elas [as grávidas] compareçam e se vacinem porque é o grupo que tem incidência maior do H1N1”, disse o secretário de Saúde do DF, Rafael de Aguiar Barbosa.

As grávidas podem tomar a vacina em qualquer período da gestação. A diretora de Vigilância Epidemiológica do DF, Sônia Geraldes, assegura que não há risco de prejudicar o feto. “A vacina é segura porque é vírus morto. Não vai dar nada no bebê. Precisamos lembrar que tivemos casos graves em gestantes quando tivemos a epidemia de H1N1”.

Grávida de dois meses e meio do segundo filho, a enfermeira Camila Coaracy foi uma das primeiras gestantes a se vacinar no Posto de Saúde nº 1, no Guará, cidade do DF. “É mais uma proteção para mim e para o bebê”, disse.

No início da manhã, o maior movimento no Centro de Saúde era de idosos e crianças. Maria Furtado Frazão, 84 anos, e Maria de Fátima Frazão, 65 anos, mãe e filha, tomam a vacina juntas todos os anos. Nem mesmo o leve desconforto na hora da aplicação da dose, que é injetável, desanima Maria Furtado: “Vale a pena. Não sei mais o que é gripe”. “Eu até esqueci [a última vez que tive gripe]”, reforçou a filha Maria de Fátima.

O oficial da reserva da Marinha, Luciano Gama, 67 anos, não perde uma campanha. “Tomo desde que completei 60 anos. Chamo as pessoas que não tomam para vir”.

Vestido de Batman, o pequeno Davi Zerbato, 2 anos e 6 meses, já sabia por que tinha que tomar a vacina. “É para ficar forte”, disse o garoto, que sofre de bronquite e, por isso, foi imunizado apesar de estar acima da idade do público-alvo infantil.

A meta da secretaria é vacinar 258.020 pessoas no DF, correspondentes a 80% da população-alvo da campanha. O maior grupo é o de idosos - 158 mil, seguido pelas crianças - 52 mil.

Edição: Graça Adjuto

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Smileys

:confused::cool::cry::laugh::lol::normal::blush::rolleyes::sad::shocked::sick::sleeping::smile::surprised::tongue::unsure::whistle::wink:

 1000 Caracteres pela esquerda

 

Viva Maria

botao cpmi-violencia

botao-fig1

We use TeamLab Online Office