Cursos e Debates

botao cursos2

Biblioteca Feminista

botao biblioteca-feminista

TV Feminista

botao tv-feminista

ulf-logo

A Universidade Livre Feminista é um espaço de estudo, reflexão, construção de conhecimento, debates e luta por direitos das mulheres. Nosso objetivo é fortalecer o feminismo e a luta por uma sociedade pós-capitalista e pós-patriarcal, somos radicalmente contra o racismo, contra todo tipo de lesbofobia.

feminismo marcha2012_mel

eu quero1serparte

Visitantes

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje1349
mod_vvisit_counterOntem5807
mod_vvisit_counterNesta semana12562
mod_vvisit_counterSemana passada34919
mod_vvisit_counterNeste mês125491
mod_vvisit_counterMês passado271873
mod_vvisit_countertodos os dias6216816
Agência Senado

Milhares de mulheres aguardam cirurgias de reconstrução da mama, apesar de uma lei de 1999 prever a obrigatoriedade de atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em caso de mutilação decorrente de tratamento de câncer. O alerta foi dado pela presidente da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), Maira Caleffi, em audiência pública realizada nesta terça-feira (14) por duas comissões do Senado.

 

[Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), Maira Caleffi, em audiência pública realizada nesta terça-feira (14) no Senado.     ]

O vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Luciano Chaves, informou que, embora a reconstrução mamária seja parte do tratamento do câncer, há um acúmulo de pacientes que não se beneficiam da previsão legal (Lei 9.797/1999). Preocupada com o problema, a entidade iniciou por Brasília um mutirão para a realização desse tipo de cirurgia. 

Inclusão 

Executado em 2011, o projeto-piloto beneficiou 61 pacientes, entre elas mulheres que haviam retirado as mamas 29 anos atrás. De acordo com Luciano Chaves, pesquisa psicossocial realizada com 142 pacientes mostrou que a reconstrução da mama favorece a inclusão social.

As pacientes solteiras, conforme a pesquisa, representavam 42% das mulheres pesquisadas e, sem a cirurgia, segundo Chaves, poderiam encontrar dificuldade de iniciar um relacionamento. A pesquisa também mostrou que, para 31% das mulheres, a mastectomia (retirada das mamas) foi causa de separação. 

Ampliação 

Diante do alcance social do mutirão, a SBCP decidiu estender a iniciativa para 19 estados, com a meta de atender, no período de 5 a 9 de março próximo, 500 mulheres que aguardam a cirurgia de reconstrução da mama na fila do SUS.

Cerca de 1.500 cirurgiões plásticos devem participar como voluntários do mutirão, que também tem o objetivo de sensibilizar o Ministério da Saúde para os honorários médicos da cirurgia de reconstrução da mama no âmbito do SUS. De acordo com Chaves, o governo paga pelo procedimento, considerado de média complexidade, apenas R$ 133. 

Impacto 

Depois de afirmar que a reconstrução mamária tem impacto positivo sobre a saúde mental e a qualidade de vida, Maira Caleffi observou que, quanto mais precocemente é realizada a cirurgia, maiores são os benefícios.

A presidente da Femama citou pesquisas segundo as quais pacientes mastectomizadas verbalizaram sentimentos depressivos e pensamentos transitórios sobre suicídio, devido à alteração visível da autoimagem.

O câncer de mama, que atinge também homens, tem quase 50 mil novos casos por ano, de acordo com dados do Inca, matando quase 12 mil pessoas. Segundo a Femama, 45,3% dos casos são descobertos quando a doença já está muito avançada. 

Audiência

A audiência pública conjunta, realizada por sugestão da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) pelas comissões de Assuntos Sociais e de Direitos Humanos e Legislação Participativa, foi presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS). Participaram também dos debates José Eduardo Fogolin Passos, coordenador-geral de Média e Alta Complexidade do Ministério da Saúde, e Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, vice-presidente do Conselho Federal de Medicina.

Djalba Lima / Agência Senado

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Smileys

:confused::cool::cry::laugh::lol::normal::blush::rolleyes::sad::shocked::sick::sleeping::smile::surprised::tongue::unsure::whistle::wink:

 1000 Caracteres pela esquerda

 

Viva Maria

botao cpmi-violencia

botao-fig1

We use TeamLab Online Office